Tuesday, 31 March 2009

Pobreza obriga a mais solidariedade



As novas situações de pobreza em Portugal vão ser combatidas por um grupo de instituições que se juntaram para uma campanha de solidariedade.
A iniciativa, baptizada de "País Solidário", irá ajudar as famílias que não têm qualquer qualquer sistema específico de protecção social.
A acção conta com instituições como Cáritas, Cruz Vermelha e Federação dos Bancos Alimentares contra a Fome e, numa primeira fase, actuará no Grande Porto, Vales do Ave e do Tâmega e Penísula de Setúbal. A campanha é apresentada esta terça-feira no Museu de Electricidade, Porto.


The Environmental & Social Responsibility Observatory (ESRO)













The Environmental & Social Responsibility Observatory (ESRO) is a product of the United Nations Environment Programme Finance Initiative (UNEP FI) and the Ecobanking Project. Initially developed in the context of the UNEP FI Latin American Regional Task Force to assist the region’s risk analysts, in 2008 the scope of the Observatory was extended to showcase success stories of finance for sustainability, thanks to the collaboration of the Water & Finance Work Stream and the Biodiversity and Ecosystem Services Work Stream of UNEP FI.




fonte:(http://www.unepfi.org/tools/observatory/index.html , consultado em 31\mar\09)

Sunday, 29 March 2009

La Comisón Permanente del Consejo Estatal de la RSE iniciará su andadura en Abril



Juan José Barrera, secretario del Consejo y director general de la Economía Social, señaló que la reunión de la Comisión Permanente se convocará una vez se publique oficialmente el nombramiento de los vocales designados por el sindicato Comisiones Obreras ayer.

Comisión Permanente del Consejo Estatal de Responsabilidad Social Empresas se reunirá en la segunda quincena del mes de abril, según anunció Juan Jose Barrera, director general de la Economía Social, el Trabajador Autónomo y Responsabilidad Social.
Barrera señaló que la reunión de la Comisión Permanente se convocará una vez se publique oficialmente el nombramiento de los vocales designados por el sindicato Comisiones Obreras ayer.
Según el responsable del ministerio de Trabajo, que actúa en calidad de secretario del Consejo, la Comisión Permanente se constituirá en la segunda mitad del mes de abril.
En la reunión de la Comisión Permanente debe establecerse las distintas comisiones de trabajo, que áreas de la responsabilidad social van a ser tratadas así como el protocolo de trabajo de las mismas.
En la sesión constitutiva del Consejo, celebrada el pasado 20 de enero, los representantes del Ministerio de Trabajo e Inmigración propusieron la creación de diversas comisiones de trabajo sobre educación; crisis, responsabilidad social y como afecta al modelo productivo; consumo e inversión socialmente responsable; y transparencia e informes de responsabilidad social.
Sobre estas propuestas, así como con las sugerencias enviadas a la secretaría general del Consejo, enviadas por los grupos y entidades representadas deberá de tomarse la decisión definitiva de las comisiones de trabajo.

Bancos éticos y sostenibles se presentan como alternativa a un sistema bancario en crisis



Triodos Bank fue el anfitrión del evento en el que se presentó esta alianza. Estos bancos trabajarán juntos para desarrollar puntos de vista comunes sobre responsabilidad social y desarrollo sostenible desde el sistema financiero.


Once de los principales bancos éticos y sostenibles del mundo han creado una alianza para construir una alternativa positiva a un sistema financiero global en crisis. Los once bancos, que suman activos por encima de los 10 billones de dólares y dan servicio a más de siete millones de clientes en 20 países de todo el mundo, alcanzaron un acuerdo durante una reunión especial celebrada en Holanda entre el 2 y el 4 de marzo. La Alianza Global por una Banca con Valores (Global Alliance for Banking on Values) fue presentada públicamente el pasado 3 de marzo durante un evento en la sede central de Triodos Bank en Zeist, Holanda, que contó con la participación de la princesa Máxima de los Países Bajos, anterior miembro del Grupo Asesor de las Naciones Unidas sobre Sectores Financeros Incluyentes, y Achim Steiner, Director Ejecutivo del Programa de Naciones Unidas para el Medio Ambiente. La Alianza Global por una Banca con Valores ha sido fundada por el banco bengalí BRAC Bank – parte del Grupo BRAC, la mayor institución de microcréditos del mundo-, el banco cooperativo estadounidense ShoreBank y Triodos Bank, el referente europeo en banca ética y sostenible. El resto de miembros son entidades de microcréditos y bancos y cooperativas de crédito dedicadas a la financiación responsable. A ellos se sumará en breve el banco de microcréditos keniata K-Rep Bank, que no pudo asistir al lanzamiento. En su discurso de apertura, Peter Blom, CEO de Triodos Bank, señaló: “Los bancos que firman esta alianza continúan creciendo, obteniendo beneficios y haciendo frente a la crisis financiera. Estas entidades pusieron en marcha un modelo de negocio bancario que combina la rentabilidad financiera con la rentabilidad social y medioambiental cuando no estaba de moda hacerlo. No hay una única respuesta a la crisis financiera internacional, sino muchas. Los responsables de las once entidades aquí reunidas tenemos mucho que aportar al sistema financiero a nivel internacional. Juntos somos una extraordinaria fuerza para el cambio”, subrayó Blom. Los nuevos socios planean desarrollar nuevas líneas de trabajo, construir organizaciones que encajen mejor con la idea de un desarrollo sostenible a largo plazo y nuevas formas de propiedad y cooperación económica. Los socios consideran que esta nueva alianza nace en un momento especialmente propicio, dada la crisis financiera y su profunda y duradera influencia en todo el mundo. De acuerdo con Fazle Hasan Abed, presidente de BRAC, “cada vez es mayor la dependencia económica entre unos países y otros, sin importar el lugar en el mundo en el que vivimos. Para abordar los problemas a los que nos enfrentamos, vamos a necesitar una acción a nivel global. Creemos que estos once bancos tienen el potencial necesario para introducir mejoras innovadoras en el mundo financiero y empezar a dar soluciones a largo plazo para comunidades y sectores desantendidos por la banca tradicional”. “Vamos a promover las finanzas responsables, poniendo nuestra experiencia al servicio de bancos ya existentes y ayudando al desarrollo de otros nuevos”, subrayó Mary Houghton, presidenta de la ShoreBank Corporation. “Vamos a abanderar el debate sobre los modelos de banca que creemos que pueden inspirar profundos cambios en la industria financiera dominante. No sólo queremos hablar de cambio, trabajaremos juntos para conseguirlo. Establecer esta Alianza resulta de gran importancia ante la necesidad de una economía más sostenible”.

Bancos de la alianza Alternative Bank ABS, Suiza Banca Popolare Etica,



Bangladesh GLS Bank,

Alemania Merkur Bank,



Estados Unidos ShoreBank Corporation,

Estados Unidos Triodos Bank, Holanda, Bélgica, Reino Unido y España XacBank ,

Mongolia

Los requisitos que debe cumplir cada entidad para participar en la Alianza Global por una Banca con Valores son:
Ser un banco independiente y con ficha bancaria, dirigido a clientes de retail
Gestionar un balance total mínimo de 100 millones de dólares
Estar dirigido a poner en práctica la financiación responsable y tener en cuenta una aproximación al negocio bancario que compatibilice la rentabilidad económica con la rentabilidad social y medioambiental

Tuesday, 24 March 2009

IAPMEI lança academia de PME para gerar mais competitividade



O novo serviço de proximidade às empresas portuguesas de pequena e média dimensão, a Academia de PME, lançado esta terça-feira, é um instrumento de proximidade às PME que vai potenciar a sua capacidade competitiva e de gestão.
«É uma solução não muito habitual a que o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação se associa e que vai permitir atingir um volume de 8 mil horas de formação/acção e envolver um universo diversificado de entidades e empresas permitindo aumentar a capacidade empresarial e de gestão», afirmou à agência Lusa João Neves, membro do conselho directivo do IAPMEI.
No lançamento da Academia de PME, que se realizou no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, o IAPMEI estabeleceu uma parceria com 16 entidades formadoras que vão colocar no terreno o Programa Formação-Acção para PME, que será desenvolvido no âmbito do Programa Operacional do Potencial Humano (POPH) e do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).
O novo serviço prevê a realização de acções formativas em Portugal nomeadamente, em áreas generalistas de gestão e estratégia, bem como em domínios específicas ligados à internacionalização, competitividade, novos mercados, desenvolvimento de quadros, mudança organizacional, criatividade, gestão do conhecimento, inovação e constituição de parcerias.
A Academia de PME é um novo projecto do IAPMEI que tem como objectivo contribuir para a melhoria das competências nas pequenas e médias empresas (PME) portuguesas, tendo resultado de diversas mudanças.
A primeira tem a ver com a nova função de contacto com as empresas, designada por «assistência empresarial», que permitiu uma recolocação do IAPMEI no terreno junto daqueles que são principais destinatários da sua actuação: «As PME.»
Seguiu-se uma segunda mudança que teve a ver com a reforma do sistema de laboratórios do Estado e do processo de extinção do Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologias e Inovação (INETI), que se lhe seguiu.
No âmbito desta reforma, o CEGEF-Centro de Gestão de Engenharia de Formação, do INETI, foi integrado no IAPMEI, com as suas competências orientadas para a formação profissional, os seus recursos humanos dotados de experiência nesta área e uma infra-estrutura física destinada também a esse fim.
«A Academia de PME é o resultado da convergência destas transformações: uma missão do IAPMEI renovada, novos meios para a formação profissional e objectivos claros orientados para o reforço de competências nas PME», explicou à Lusa o responsável.
No quadro do POPH o IAPMEI foi escolhido como organismo intermédio e ficou com o encargo de gerir quatro milhões de euros para os próximos dois anos e meio em formação para PME.
32 acções formativas
O Instituto recebeu 74 candidaturas e seleccionou os 16 melhores projectos.
Agora vão ser realizadas 32 acções formativas: 20 acções de formação-acção padronizadas de seis meses e doze acções de formação-acção individualizadas de um ano.
«Tudo será integrado num plano formativo estabelecido à medida das necessidades das PME», acrscentou o responsável.
As acções de formação individualizada, que também compõem este projecto formativo, são constituídas por planos de formação de 12 meses que incidem sobre as diferentes variáveis da gestão e da estratégia de PME, de acordo com os diagnósticos que vierem a ser efectuados por cada uma das 16 entidades formadoras.
O IAPMEI vai acolher através desta medida de formação-acção, cerca de 500 PME que vão frequentar um plano formativo a custo zero, com 5.796 horas.
O arranque da primeira acção está previsto para o próximo mês de Abril de 2009. Todas as acções irão decorrer até Dezembro de 2010.

Buenos Aires debate modificaciones en su Ley de RSE








El Ministerio de Desarrollo Económico de la Ciudad convocó a una primera reunión del Consejo Consultivo de RSE. Representantes de empresas y organizaciones no gubernamentales y funcionarios porteños, intercambiaron opiniones sobre la temática mencionada. Con fin de avanzar con la búsqueda de consensos a efectos de modificar algunos puntos oportunamente incluidos en la Ley 2.594/07 de Balance de Responsabilidad Social y Ambiental. El principal punto de debate giró en torno del tema de la obligatoriedad que establece la ley vigente -para las empresas con más de 300 empleados- de presentar anualmente un balance de responsabilidad social y ambiental. También se propusieron modificaciones y mejoras a la Ley vigente, tales como la promoción del voluntariado corporativo.
La resolución 506/08 del Ministerio de Desarrollo Económico dio origen a la creación del Consejo Consultivo RSE. Dicho organismo tiene como fin la institucionalización de un espacio de diálogo y participación de los actores interesados con el objeto prioritario de realizar recomendaciones que sirvan para el dictado de la reglamentación -aún pendiente- de la Ley N° 2.594 y, en general, para promover la implementación de acciones empresariales vinculadas a la Responsabilidad Social Empresaria (RSE).
Fueron variados los puntos presentados por los representantes de las dieciséis organizaciones presentes. El principal punto de debate giró en torno del tema de la obligatoriedad que establece la ley vigente -para las empresas con más de 300 empleados- de presentar anualmente un balance de responsabilidad social y ambiental. “Si la presentación de dicho balance fuera obligatorio, la implementación real de acciones en materia de RSE se reducirá a su mínima expresión. Dicha obligatoriedad no solo implica importantes sobrecostos administrativos y de gestión para las empresas, sino que fundamentalmente, violenta el espíritu básico de la RSE”, sostuvieron algunos de los participantes. En igual sentido, varios de los presentes remarcaron la inexistencia de experiencias internacionales exitosas en materia de promoción y difusión de la RSE basadas en el principio de obligatoriedad, señalando expresamente que los casos más plausibles se relacionan con la existencia de incentivos públicos a la implementación de programas empresariales o corporativos y a la incorporación de acciones de RSE a la agenda estratégica interna de las organizaciones.A su vez, otro de los puntos discutidos fue la necesidad de permitir que las acciones de RSE sean comunicadas de formas variadas y no exclusivamente a través de un Balance. “Aprovechemos las posibilidades que se derivan de las nuevas tecnologías” sostuvo uno de los presentes.
También se propusieron modificaciones y mejoras a la Ley vigente, tales como la promoción del voluntariado corporativo -a partir del desarrollo de acciones de RSE hacia el interior de las organizaciones- vinculado con la búsqueda de un mayor compromiso de los respectivos empleados. También se expresó el interés de que a través de la legislación se pueda potenciar la articulación entre sector público, el privado y las organizaciones de la sociedad civil.
Luego de las exposiciones de todos los presentes, el Subsecretario de Desarrollo Económico, Gustavo Svarzman efectuó una síntesis de los principales puntos analizados en el encuentro, señalando la voluntad específica del Ministerio impulsar en el corto plazo la modificación de la ley vigente, particularmente en relación al tema del concepto de obligatoriedad incluido en la misma y a la necesidad de generar incentivos para la difusión de la temática hacia el interior del tejido productivo local.
“La Promoción de la Responsabilidad Social Empresaria es una cuestión que todo Estado Nacional o local moderno debería asumir como parte de su agenda estratégica propia”, dijo el funcionario.
Organizaciones participantes: Asociación Cristiana de Dirigentes de Empresa - ACDE -; Bairexport Red de Exportadores de Buenos Aires; Cámara Argentina de Comercio - CAC -; Cámara de Comercio de Estados Unidos en Argentina - AmCham -; Cámara de Informática y Comunicaciones de la República Argentina - CICOMRA -; Cámara de Sociedades Anónimas; Consejo Empresario Argentino para el Desarrollo Sostenible – CEADS; Consejo Profesional de Ingeniería Civil;; Edenor; Estudio Brons & Salas; Fundación Compromiso; Poder Ciudadano; Telecom; Unión Industrial Argentina. También participaron representantes de la Agencia de Protección Ambiental del GCABA y Ministerio de Desarrollo Social del GCABA.
La resolución 506/08 del Ministerio de Desarrollo Económico dio origen a la creación del Consejo Consultivo RSE.
Dicho organismo tiene como fin la institucionalización de un espacio de diálogo y participación de los actores interesados con el objeto prioritario de realizar recomendaciones que sirvan para el dictado de la reglamentación -aún pendiente- de la Ley N° 2.594 y, en general, para promover la implementación de acciones empresariales vinculadas a la Responsabilidad Social Empresaria (RSE).






Têxteis e calçado - Pinho revela plano de apoio à modernização



Antecipar pagamento de incentivos e apoios à internacionalização são algumas das medidas a anunciar pelo ministro da Economia.


Manuel Pinho, o ministro da Economia, vai amanhã ao Porto assinar um plano de apoio à modernização das indústrias têxtil, do vestuário e do calçado para res-ponder à crise internacional.
Para além das alterações ao modelo de funcionamento do QREN, o programa que gere os fundos comunitários, permitindo a antecipação do pagamento dos incentivos às empresas, serão ainda assinados contratos de apoio à internacionalização e para a formalização do Pólo de Competitividade da Moda.
Este conta com cinco projectos-âncora em desenvolvimento, que podem atingir 20 milhões de euros anuais de investimento. O Pólo de Competitividade da Moda tem como objectivo implementar estratégias de eficiência colectiva que visem a internacionalização, a inovação, a qualificação e a modernização da fileira.
Em Outubro foi criada a Associação Pólo de Competitividade da Moda. Agora, como explicou ao DN o presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, João Costa, a prioridade é a criação de um organismo coordenador/federador, que se designará Instituto Português da Moda.
Os restantes quatro projectos--âncora assentam na qualificação e formação, promoção externa de modo a "fomentar as exportações", responsabilidade social, sustentabilidade e energia (vector em que são analisadas as energias alternativas e as questões ambientais) e a inovação, área privilegiada de investigação de nanotecnologias e de novos materiais.
O plano de apoio ao sector têxtil, vestuário e calçado surge na sequência de idêntico pacote aprovado para a indústria automóvel, no valor de 900 milhões de euros, tendo em vista proteger o emprego e aumentar a competitividade.
As indústrias têxtil, vestuário e calçado são responsáveis por mais de 200 mil postos de trabalho e asseguram 20% das exportações nacionais

Sunday, 22 March 2009

Prémio da Qualidade do Distrito de Setúbal



Desde o ano 2000 que a Associação de Municípios da Região de Setúbal (AMRS) tem valorizado experiências inovadoras e de qualidade no domínio autárquico que, certamente, contribuiram para melhorar a gestão, organização e funcionamento das entidades. Tornar mais transparentes os processos e procedimentos e, em especial, tornar mais próximas as relações entre o Poder Local e os munícipes. Estas Boas Práticas das Autarquias têm sido assinaladas pela AMRS, através da realização do Prémio da Qualidade do Distrito de Setúbal/Serviços Públicos, que nas suas sete edições já distinguiu mais de 40 projectos de entidades autárquicas da Região (Câmaras Municipais, Juntas de Freguesia, Serviços Municipalizados). É, pois, com agrado que constatamos que as entidades autárquicas da Região continuam a participar neste Prémio, o que demonstra que o caminho das Boas Práticas é o mais correcto, baseado nos critérios do rigor, da eficiência, da celeridade, da criatividade e, acima de tudo, no respeito pelo cidadão/munícipe.Merece, também, destaque a colaboração da Direcção Geral das Autarquias Locais, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo, do Instituto Português da Qualidade, do Conselho Intermunicipal para a Qualidade e Inovação, que connosco têm levado a cabo a realização do Prémio da Qualidade do Distrito de Setúbal.



Thursday, 19 March 2009

Cuáles son los 14 consejos de Al Gore para reducir el cambio climático?



El Premio Nobel 2007 –galardón que comparte con el Panel Intergubernamental sobre Cambio Climático de Naciones Unidas– presentó en su documental de 2006 La verdad incómoda (An Inconvenient Truth, ganador del Oscar en su categoría) 14 medidas para reducir el cambio climático, son:
1. Cambiar las bombillas tradicionales por lámparas compactas fluorescentes (CFL), que consumen 60% menos electricidad que una bombilla tradicional.
2. Fijar la calefacción dos grados menos en invierno y del aire acondicionado dos grados más en verano.
3. Usar menos agua caliente instalando una ducha-teléfono de baja presión y lavando la ropa con agua fría o tibia.
4. Secar la ropa al aire libre en vez de utilizar una secadora de ropa.
5.Comprar productos de papel reciclado, pues su elaboración consume entre 70 y 90% menos energía y detiene la deforestación mundial.
6. Comprar alimentos frescos. La producción de comida congelada consume 10 veces más energía.
7. Comprar alimentos orgánicos, pues los cultivos orgánicos absorben y almacenan más dióxido de carbono que los “tradicionales”.
8. Evitar comprar productos que vengan en envases pesados. Reducir en 10% la basura personal ahorra 540 kilos de dióxido de carbono al año.
9. Reciclar al menos la mitad de los residuos familiares. Así se ahorran hasta 1,000 kilos de residuos en un año.
10. Comprar un automóvil de menor consumo (híbrido o con biocombustible).
11. Usar menos el auto. Prefiera caminar, andar en bicicleta y usar el transporte público.
12. Inflar correctamente los neumáticos, ello mejora la tasa de consumo de combustible en más del 3%. Cada litro de gasolina ahorrado evita la emisión de tres kilos de dióxido de carbono.
13. Plantar árboles. Una hectárea de árboles elimina, en un año, la misma cantidad de dióxido de carbono que producen cuatro familias en ese mismo tiempo.
14. Pedir a la compañía eléctrica que cambie a energía renovable.
Fuente: Alto nivel.com.mx

La Responsabilidad Social como regulación mundial



La actual crisis financiera que se ha desatado y afectado a prácticamente todos los países, ha encontrado entre sus causas principales la libertad absoluta para actuar, enmarcada en un neoliberalismo que le deja la opción de decidir a las fuerzas del mercado, pensando que esta lógica tarde que temprano beneficiaría a toda la población.
Misma lógica que se ha seguido en la globalización, en donde las grandes empresas multinacionales en ausencia de una regulación, actúan a discreción en cuanto al manejo de los recursos naturales y en la forma de administrar al personal.
En ambos casos, se señala que la falta de regulaciones supranacionales han sido un aspecto básico que se ha dejado a una autorregulación, algo que no se ha dado de manera general, o bien se considera también que entidades internacionales como el Fondo Monetario Internacional y el Banco Mundial, han estado bajo una doctrina neoliberalista dictada por los grandes países.Ante esta situación, Joseph Stiglitz premio Nóbel de Economía, en su libro “Cómo hacer que funcione la globalización”, menciona de forma específica que la Responsabilidad Social puede ser esa supra-regulación que controle la forma de operar de las empresas, de manera explícita recuerda el caso de Nike, o el de la petrolera Shell en Nigeria.
Agrega que el movimiento de la Responsabilidad Social ha contribuido a cambiar la mentalidad de muchas corporaciones y de las personas que trabajan en ellas.
Agrega que en la medida en que haya más empresas multinacionales que estén laborando bajo el concepto de Responsabilidad Social, ellas mismas van a presionar para que existan leyes locales en los países donde operen para la protección al medio ambiente o refuercen sus códigos de conducta para con su personal y proveedores.
O también puede suceder que ante la falta de dichas leyes locales, las propias empresas obliguen a sus eventuales proveedores a trabajar bajo el concepto de Responsabilidad Social.
De esta forma, el propio sector empresarial estaría funcionando como ente regulador a escala mundial, y en alguna forma presionar inclusive, a los gobiernos para establecer legislaciones acordes a la sustentabilidad y la Responsabilidad Social.
Algo así ya está sucediendo desde hace algunos años con las Normas ISO, las cuales son imprescindibles para cualquier empresa que quiera participar en el plano internacional, siendo ya prácticamente una regulación que abarca todo el planeta sin haber pasado por las legislaciones locales.
Bajo este modelo no es descabellado pensar que la Responsabilidad Social puede funcionar en la misma forma, convirtiéndose en ese ente regulador, que además de contribuir a su mayor difusión y aplicación, permita lograr un crecimiento y desarrollo más equitativo a escala mundial a través de las propias empresas, y generar así una globalización que sea en beneficio de toda la sociedad.
Y no creo que sea una quimera, ya lo apunta el mencionado Stiglitz, así como directivos de sindicatos europeos. Por lo que es posible pensar en su realidad en un futuro cercano.
Seguiremos platicando ….~


Decreto-Lei que estabelece o regime jurídico aplicável ao trabalho voluntário nas escolas por pessoal docente aposentado

Este Decreto-Lei vem criar, à semelhança do que sucede em vários países europeus, nos Estados Unidos, no Canadá e na Austrália, um quadro legal que permita aos docentes aposentados prestarem trabalho voluntário nas escolas, com o necessário enquadramento, de modo a aproveitar e rentabilizar o potencial contributo positivo daí decorrente.
Com efeito, um número crescente de docentes aposentados tem manifestado vontade e disponibilidade para o desempenho da actividade junto das escolas, com vista a partilhar com os seus pares conhecimentos e saberes adquiridos ao longo de uma vida profissional que lhes proporcionou uma consciência multidimensional da realidade escolar.
Neste contexto, a colaboração dos docentes aposentados constituir-se-á como uma actividade assente no reconhecimento das suas competências científicas, pedagógicas e cívicas, sendo exercida de livre vontade e não remunerada, numa prática privilegiada de realização pessoal e social.
Neste, como noutros domínios, prevalecerá a garantia do princípio da autonomia da Escola, na medida em que a eventual intervenção dos voluntários apenas poderá decorrer de uma explícita manifestação de vontade por parte do estabelecimento de ensino interessado, consubstanciada na aprovação de um programa de voluntariado, cabendo ao seu órgão executivo a eventual selecção do candidato que considere reunir o perfil adequado para as funções em causa por reporte à apresentação das disponibilidades.
Por último, estabelece-se como imperativo o pressuposto nos termos do qual o desenvolvimento das actividades de voluntariado não poderá em caso algum importar a substituição dos recursos humanos considerados necessários à prossecução das normais actividades da Escola.
(fonte:http://www.portugal.gov.pt consultado em 19\mar\09)

Tuesday, 17 March 2009

Yunus instó a crear un sistema financiero "para el pueblo"



El premio Nobel de la Paz pidió en Tokio que no sólo se piense en los ricos; "la economía actual está orientada hacia la búsqueda de un máximo de ganancias", dijo.


TOKIO.- El economista bangladesí Muhammad Yunus, Premio Nobel de la Paz, afirmó hoy en Tokio que la crisis económica mundial abre la posibilidad de desarrollar un sistema financiero "para el pueblo" y no "para los ricos".
Yunus, creador del microcrédito, destacó ante la prensa que la actual hecatombe financiera "no es la única crisis de la actualidad" y que no debe ocultar otras surgidas con anterioridad, como las de la alimentación, la energía y el clima.
"Todas las crisis tienen el mismo origen, han surgido de fallas estructurales de nuestro sistema", dijo Yunus, para quien "la economía actual está orientada únicamente hacia la búsqueda de un máximo de ganancias".
Pero "la más profunda de las crisis" puede generar "la mejor de las oportunidades", sostuvo Yunus. "Mientras las cosas fucionan más o menos, nadie quiere cambiar nada, pero ahora que ya no funcionan, es el buen momento", declaró.
"El sistema financiero debe ser repensado íntegramente. íDe todos modos no funciona para el pueblo! Para los ricos, sí, pero no para el pueblo", subrayó. Yunus propone por ello fundar un nuevo sistema, "basado en lo concreto y no en los sueños" de algunos profesionales de la finanza.
Dio como ejemplo de lo que puede hacerse al Grameen Bank, el banco de microcrédito que el propio Yunus creó en 1976 para financiar proyectos de aldeanos de Bangladesh sin acceso a las líneas de crédito tradicionales. Tres décadas después, los créditos consentidos por el Grameen Bank son reembolsados en un 98% de los casos.

Sunday, 15 March 2009

Brasil - quinta edição do Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS)



A Fundação Seade e o Instituto do Legislativo Paulista da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo lançam a quinta edição do Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), com dados de 2006. OIPRSé composto de três dimensões que sinalizam a evolução das condições de vida dos 645 municípios do Estado de São Paulo. São elas: renda, escolaridade e longevidade.
A metodologia do IPRS permite:
ordenar os resultados em um ranking conforme cada uma das dimensões;
resumir, por meio de tratamento estatístico, as três dimensões em um único indicador, o IPRS;
organizar os municípios em cinco grupos, de acordo com os indicadores sociais (educação e longevidade) e econômico (renda);
comparar o resultado de um determinado município com o da sua Região Administrativa (RA);
comparar o resultado de cada município com a média do Estado.
Na versão que se divulga, constata-se que a longevidade do Estado de São Paulo continua crescendo em resposta à redução contínua das taxas de mortalidade infantil e de homicídios em geral, especialmente de jovens.
No ranking de riqueza, a Região Metropolitana da Baixada Santista manteve-se em primeiro lugar, seguida da Região Metropolitana de São Paulo e da RA de São José dos Campos. A principal mudança foi a troca de posição, no período, entre as RAs de Franca e São José do Rio Preto.
Na dimensão longevidade, merecem destaque a Região Metropolitana de São Paulo, as regiões administrativas de São José dos Campos, Campinas, Franca e Marília.
Em âmbito municipal, os três melhores resultados na dimensão escolaridade correspondem a São Caetano do Sul, Holambra e Poloni. No indicador de riqueza sobressaem São Sebastião, Bertioga e Guarujá e, em longevidade, Oscar Bressane, Meridiano e Rubinéia.
O número de municípios pertencentes ao Grupo 3 (com nível de riqueza baixo, mas com bons indicadores nas dimensões escolaridade e longevidade) cresceu na região de São José do Rio Preto, como resposta a melhoras nos indicadores sociais, e diminuiu nas demais regiões do noroeste paulista. Destaca-se ainda a melhora nos indicadores sociais das regiões de Franca e no Vale do Paraíba.
Em contrapartida, aumentou o número de municípios pertencentes ao Grupo 5 (composto por localidades tradicionalmente pobres, com baixos níveis de riqueza, longevidade e escolaridade) nas regiões de Bauru, Campinas, Central, Marília, Presidente Prudente, Registro e Ribeirão Preto. Nas regiões de Barretos, Franca e São José dos Campos e na RMSP esse grupo diminuiu.

Para saber mais consultar:http://www.seade.gov.br/projetos/iprs/

The Forest Carbon Portal



The Forest Carbon Portal provides relevant daily news, original Ecosystem Marketplace stories, a calendar of events, a toolbox of resources ranging from methodologies to policy briefs, and market analysis on land-based carbon sequestration projects—from forest to farm. The Portal also includes the Forest Carbon Project Inventory, a searchable database and map of projects selling land-based carbon credits across the globe. Users can search for projects by country, as well as by a variety of criteria such as project type, standard, registry and size. Projects are described in consistent 'nutrition labels' which supply as much information as can be maintained in a consistent structure. Projects must either be third-party verified or have sold credits to be eligible for listing. Currently, data collection is ongoing and the inventory only includes forest based projects. If you know of any forest/terrestrial carbon projects or would like to see your project showcased on the Forest Carbon Inventory map, or if your project is already on display and needs to be changed or updated, please contact Maria Bendana: mbendana(at)forest-trends.org.


rede telemática de informação comum -livro de reclamações



Decreto-Lei que procede à segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de Setembro, que estabelece a obrigatoriedade de disponibilização do livro de reclamações a todos os fornecedores de bens ou prestadores de serviços que tenham contacto com o público em geral, criando a rede telemática de informação comum.


Este Decreto-Lei vem estabelecer uma rede telemática de informação comum para tratamento e gestão das reclamações efectuadas pelos consumidores e utentes no livro de reclamações, tendo em vista a sua valorização enquanto instrumento de queixa dos consumidores.
Deste modo, permite-se que as entidades reguladoras ou de controlo de mercado possam efectuar a gestão informática das reclamações e a centralização da informação sobre as mesmas, possibilitando uma análise estatística permanente que facultará um maior conhecimento da conflitualidade de consumo em Portugal e a identificação dos sectores do mercado onde a actuação das entidades reguladoras ou de controlo de mercado deve ser incisiva.
Com a criação desta rede os consumidores ou utentes e os agentes económicos podem, a qualquer momento, verificar o estado das reclamações em que estejam implicados, podendo conhecer a todo o tempo a evolução e o caminho por que as mesmas vão passando aquando da sua análise pelas entidades reguladoras ou de controlo de mercado.


fonte: (http://www.portugal.gov.pt/Portal , consultado em 15\Mar\09)

MTSS apresenta Estratégia Nacional para Integração de Pessoas Sem-Abrigo



Esta Estratégia resulta de um trabalho articulado, desenvolvido por um conjunto de entidades públicas e privadas e tem como objectivo a planificação de actividades concertadas entre as diferentes entidades que trabalham directa ou indirectamente nesta área, com vista a identificar, acompanhar e integrar as Pessoas Sem-Abrigo.


Prevenção, intervenção e acompanhamento são as áreas de intervenção que dão forma à nova Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo, apresentada em Lisboa com a presença do ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva. Com um investimento global de 75 milhões de euros, verba proveniente dos cofres da Segurança Social, o plano prevê um conjunto alargado de mecanismos de reabilitação. Desde logo para melhorar as condições de acesso a prestações sociais e garantir "habitação condigna".
"Por contraposição com a resposta tradicional de emergência de fornecer refeições, alojamentos temporários e cuidar do bem-estar das pessoas, é tentar encontrar uma resposta mais estrutural com o compromisso da pessoa", sublinhou o ministro Vieira da Silva, depois de admitir as "dificuldades" encontradas pelos sem-abrigo no acesso às prestações sociais asseguradas pela lei.
O objectivo é actuar num prazo máximo de 24 horas após a confirmação da ausência de alojamento. Para tal está prevista a criação de novas residências.
"Esta estratégia tem vários agentes e cada um contribui com o seu volume de recursos", explicou Vieira da Silva, assinalando a obtenção de "um comprometimento muito alargado, quase total, de todas as instituições que têm responsabilidade na resposta aos problemas dos sem-abrigo".
Papel das instituições
Se o presidente do Instituto Nacional da Droga e Toxicodependência se mostra satisfeito com a nova Estratégia Nacional, as instituições particulares de solidariedade social colocam a ênfase na necessidade de privilegiar a experiência acumulada ao longo dos anos pelas entidades que trabalham no terreno. Isso mesmo foi afirmado à RTP por João Gouveia, um dos representantes das IPSS.
"Em relação à questão de o Estado querer ajudar, sim senhor. Mas é preferível ajudar as instituições do que o Estado a fazê-lo, porque o Estado e as câmaras nunca conseguiram, até hoje, realizar programas para reabilitar os sem-abrigo", defendeu o responsável.
Por seu turno, João Goulão salienta o esforço de articulação entre as entidades envolvidas: "Penso que é fundamental que as várias instituições que têm alguma coisa a ver com esta problemática se articulem, em vez de trabalharem cada uma para seu lado. Visto que somos um país de recursos limitados, é importante que optimizemos esses recursos".
Base de dados
O plano agora desencadeado estabelece a elaboração de uma base de dados das pessoas sem-abrigo em todo o território do país, de modo a facilitar não só a troca de informações no plano local mas também o processo de decisão a nível da Administração Central.
O mecanismo de identificação - que já se encontrava previsto no Plano Nacional de Inclusão 2008/2010, submetido em Outubro à Comissão Europeia - visa melhorar o apuramento de informações sobre uma área de exclusão social que a coordenadora técnica da Rede Europeia Anti-Pobreza, Sandra Araújo, admite estar pouco estudada em Portugal.
Rede Europeia Anti-Pobreza, Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e Comunidade Vida e Paz estão entre os parceiros da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo.


Projectos açorianos na segunda fase do concurso “Boas Práticas no Sector Público”


Os projectos apresentados pelo Governo dos Açores à edição deste ano do premio “Boas Práticas no Sector Público” passaram à segunda fase do concurso, sendo seleccionados num conjunto de 116 candidaturas.

O Executivo condidatou à sétima edição do prémio a sua rede privada de comunicações de voz e dados, a Rede Integrada de Apoio ao Cidadão (RIAC), a Bolsa de Emprego Público (BEP-Açores), o Portal do Serviço Regional de Estatística, o Gabinete do Empreendedor e o concurso online para colocação de docentes nas escolas da Região.

Na segunda fase do “Boas Práticas no Sector Público” o júri do concurso visita os projectos, com o objectivo de recolher mais dados e elementos adicionais para, numa etapa posterior, determinar os vencedores.

Segundo a Direcção Regional de Organização e Administração Pública, o Governo dos Açores foi convidado a participar no concurso por ter um trabalho reconhecido e elogiado a nível nacional e europeu no que às boas práticas administrativas diz respeito.

Promovida pela Deloitte, em parceria com o Diário Económico, Instituto Nacional de Administração e a Fundação Luso-Americana (FLAD), a iniciativa “destina-se a promover a nível nacional e europeu as boas práticas existentes na Administração Pública”.

Os vencedores do prémio “Boas Práticas no Sector Público” são conhecidos na primeira quinzena de Maio, na Gala de Entrega de Prémios.

Saturday, 14 March 2009

Evento: 4.ºEdição da Semana da Responsabilidade Social 2009





MUNDO PÓS CRISE: A ÉTICA E A RESPONSBILIDADE SOCIAL FAZEM PARTE DA SOLUÇÃO?


“Estamos a viver o nascimento de uma nova era um despertar para todas as nossas instituições e sistemas mas acima de tudo para a nossa maneira de pensar”Janeiro de 2009Klaus Schwab, fundador e Presidente Executivo do Fórum Económico Mundial


A Semana da Responsabilidade Social 2009, como evento multistakeholder, será uma oportunidade única de encontro e troca de opiniões entre lideres de opinião e activistas de todos as partes interessadas. Desde dirigentes empresariais a lideres sindicais, a SRS 09 contará com representantes dos consumidores, ongs, ipss, administração publica, universidades, desporto e comunicação social. A SRS teve a sua primeira edição em 2006 e tem registado um crescimento anual em numero de oradores, entidades e participantes. Tal como nos anos anteriores esperam-se cerca de 100 oradores e 700 participantes.
Este ano, graças ao gentil patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian, o evento decorre simultaneamente em quatro salas do edifício da Fundação, na Avenidade de Berna, em Lisboa, durante quatro dias, de segunda a quinta, entre 4 e 7 de Maio.
A SRS 09 procurará integrar-se no grande debate mundial sobre o mundo pós crise. Esse foi o tema deste ano no Fórum Económico Mundial de 2009 em Davos. Esse grande tema estruturou-se nas seguintes linhas de debate:


Promover a estabilidade do Sistema Financeiro;
Construir modelos de Governação, eficazes e de longo prazo, aos níveis global, regional e nacional;
Enfrentar os desafios da Sustentabilidade e do Desenvolvimento;
Valores e Princípios de Liderança para o Mundo Pós Crise;
Crescimento pela Inovação, Ciência e Tecnologia;
Compreender as implicações dos Modelos de Negócio;


A SRS 09 estimulará a reflexão conjunta sobre as mesmas temáticas, não só numa óptica de contributo mas também de aplicação, ou seja, que impacto sofrerá a nossa economia e a nossa sociedade e como transformar problemas em oportunidades.
Os eventos que constituem a SRS 09 são encontros de parte interessada, workshops temáticas, um encontro multistakeholder e “side events”, de que a seguir se dá uma breve informação.

Para saber mais consultar: http://www.apee.pt/portal
















Formação :Pós-Graduação em Responsabilidade Social das Organizações



APRESENTAÇÃO DO CURSO


No exercício da sua actividade, as organizações gerem, simultaneamente, as expectativas dos seus clientes, dos trabalhadores, dos fornecedores e da comunidade local. A reputação social de uma organização é um dos seus mais valiosos activos, sendo a conduta ética e social que desenvolvem determinante não só para assegurar a atracção e manutenção de talentos e competências no interior das empresas como para ganhar a confiança de todos os que consigo se relacionam. Deste modo, o propósito de contribuir, de forma positiva, para a sociedade e de gerir os impactos sociais, económicos e ambientais da organização, poderá proporcionar vantagens directas para o negócio e assegurar a competitividade a longo prazo. Num contexto em que a sociedade e os seus vários stakeholders (nomeadamente, clientes, fornecedores, trabalhadores, accionistas, concorrentes e Estado) revelam expectativas e sentido crítico crescentes quanto à forma como as empresas conduzem os seus negócios, este curso de Pós-Graduação visa – através de uma perspectiva multidisciplinar e integrada – facultar a todos os interessados orientações claras no domínio da Responsabilidade Social das Organizações (RSO).
Para saber mais consultar:

Formação :Pós-Graduação em Ética e Responsabilidade Social das Organizações







Pós-Graduação em Ética e Responsabilidade Social nas Organizações, com início a 4 de Abril na Escola de Gestão & Negócios – Universidade Autónoma de Lisboa, com a Coordenação Científica do Eng. Mário Parra da Silva, Presidente da Direcção da APEE.


Para saber mais consultar:














Para saber mais consultar :http://www.apee.pt/portal/ ,





Friday, 13 March 2009

CM AVEIRO - Projecto "Lifecycle" sensibiliza a população para o uso da bicicleta



No âmbito do projecto "Lifecycle" vai decorrer, de 17 de Março a 19 de Junho, em Aveiro a campanha "de Selim para o trabalho". Promovida pela Câmara Municipal de Aveiro e destinada aos adultos do concelho a campanha procura persuadir os próprios funcionários municipais a deslocarem-se de bicicleta ou num sistema de "Park & Bike" ou "Bus & Bike", deixando o automóvel em parques à entrada da cidade, para completarem o percurso até às instalações municipais de bicicleta. Além desta campanha destinada a adultos, há ainda uma vertente dirigida à população escolar e em que participam as escolas secundárias Jaime Magalhães Lima e Mário Sacramento e a Escola Básica Integrada de Eixo é a campanha "Para a Escola com Pedalada", em que aos estudantes é lançado o desafio de fazerem, pelo menos duas vezes por semana, a deslocação entre a casa e a escola de bicicleta. Os alunos aderentes serão abrangidos por um seguro individual e serão distribuídas bicicletas como prémio, entre os participantes.Em relação à população sénior vão ser feitas campanhas de sensibilização na área da saúde, em parceria com as Juntas de Freguesia de Santa Joana e Eixo, que vão incluir rastreios médicos e procurar estimular o uso da bicicleta como promoção da actividade física.A autarquia vai ter três técnicos afectos ao projecto em tempo parcial e ainda realizar pequenas intervenções de prevenção rodoviária nas vias municipais.O projecto "Lifecycle", da Câmara de Aveiro, procura sensibilizar a população para o uso da bicicleta no dia-a-dia, no âmbito do Programa Europeu da Saúde (PHEA). Este projecto é financiado integralmente pela União Europeia, o custo do projecto no que diz respeito a Aveiro ascende a cerca de 50 mil euros, em campanhas direccionadas às famílias, à população sénior e adulta, estudantes universitários e crianças em idade escolar.

Argentina- El sector Aerocomercial se acerca más a los biocombustible



Desde hace ya poco más de un año, distintas líneas aéreas comerciales del mundo han comenzado a realizar vuelos comerciales de prueba propulsados por Biocombustibles (como Virgin Atlantic y Air New Zealand en 2008, y recientemente Continental Airlines y Japan Airlines en lo que va de este 2009).Aceite de Algas, de frutos autóctonos, o de palmas de coco sirvieron como fuente de energía a aviones con capacidad de transportar más de 200 pasajeros en trayectos regionales.Las energías renovables están formando parte del presente, y ya nadie duda que son el futuro. Pero las organizaciones ambientales no pueden dejar de llamar la atención sobre lo que implica el uso de biocombustibles: Doug Parr, jefe científico de Greenpeace en Inglaterra, aseguró tras el vuelo de Virgin que se trataba de “una pavada ecológica” y que la solución pasa por “realizar menos viajes aéreos”. Parr, también alertó por entonces sobre las consecuencias de la generación de biocombustibles en detrimento de los precios de los alimentos, que se dispararían debido a una mayor utilización de tierras para la plantación de especies que contribuyan a la generación de energía renovable.Lo que parece hacer falta en este contexto es un punto de equilibrio, que favorezca el desarrollo de fuentes de energía alternativas y no perjudique otras ramas tan importantes como la industria alimenticia.

Thursday, 12 March 2009

MÉXICO - La Responsabilidad Social, factor de sobrevivencia

Aquellas empresas que no tengan a la Responsabilidad Social como parte central de su negocio, no sobrevivirán. Es el mensaje definitivo que señala Simon Zadek, director ejecutivo de AccountAbility, institución internacional que promueve la responsabilidad para el desarrollo sustentable.
Como primer ejemplo de ello es el caso de Lehman Brothers en donde sus directivos se centraron en el corto plazo y en sus incentivos personales. Otros casos son los de Ford y General Motors, que vendieron autos que consumen mucha gasolina y sin cuidar el ambiente, obtuvieron grandes ganancias, pero eso mismo ahora es lo que le están generando problemas.
En una plática que diera recientemente, mencionó que Estados Unidos y algo en Europa, los denominados CEO´s o directores generales de las empresas, están por lo general tres años ocupado ese puesto, y por otro lado, el inversionista que compra acciones de alguna empresa, mantiene la acción a veces solo en minutos, por lo que su interés está en el corto plazo y en consecuencia, ambos, no tienen el incentivo de cuidar a la empresa en el largo plazo y mucho menos la sustentabilidad del planeta, ya que las inversiones son devueltas con sus ganancias en menos de un año, aún sabiendo que dichas inversiones realizadas no eran sustentables.
Por ora parte, Simon Zadek menciona que existen tres niveles de involucramiento con la sustentabilidad:El primero es una respuesta de corto plazo a necesidades inmediatas, se atiende algo porque es un riesgo pero no está integrado al funcionamiento del negocio.En el segundo, comienzan a tratarse las cuestiones de Responsabilidad Social de un modo más sistemático.Y en el tercer nivel, se habla de alineación estratégica y de colaboración entre sectores, organizaciones y gobiernos.
Desde su perspectiva, el director general de AccountAbility, considera que la gran mayoría de las empresas están en el primer nivel y segundo nivel, y unas cuantas están pasando al tercero.
De las empresas con más desarrollo o que están rumbo al tercer nivel están por ejemplo Coca Cola en el uso y manejo del agua, y General Electric con su programa Ecoimagination para generar nuevas tecnologías; ambas están trabajando con otros sectores para lograr sus objetivos, por lo que la colaboración es un factor clave en el futuro, ya sea con Organizaciones no gubernamentales (ONG´s) y también con gobiernos.
Agrega también el directivo que las empresas más concientes de su Responsabilidad Social, son aquellas que tiene contacto con el público (y no las de negocios entre empresas), y las que están en proceso de globalización, porque es la forma como podrán tener más acceso a diferentes mercados.
Considera además que se necesitan desarrollar mercados que recompensen a las empresas por hacer lo correcto, y también gobiernos que sean consistentes con las necesidades de la gente que representan, generando además normas consistentes con la sustentabilidad.
Finalmente, en relación a la crisis financiera actual Simon Zadek piensa que el desarrollo de la sustentabilidad en las empresas, se verá afectada solo en aquellas que lo manejan superficialmente, en cambio en las que la han integrado a su negocio continuarán realizándola, y verán ganancias y ahorros cuando comiencen a ver resultados.
Todos estos argumentos mencionados son una clara evidencia que estamos entrando en una nueva etapa del desarrollo de la Responsabilidad Social, y los mercados están generando una mayor conciencia de su importancia e impacto.
Seguiremos platicando …

Fonte: (http://www.expoknews.com/2009/03/11/la-responsabilidad-social-factor-de-sobrevivencia/ , consultado em 12\fev\09)

MÉXICO-Felicita el CEMEFI a las ESR



El Centro Mexicano para la Filantropía A.C. (Cemefi), la Alianza por la Responsabilidad Social Empresarial en México (AliaRSE) y Forum Empresa Felicitan a las 349 empresas que cumplieron los estándares de responsabilidad social empresarial y obtuvieron el distintivo Empresas Socialmente Responsable 2009.
Entre las que se encuentran: Gripo Gigante, Office Depot México, Restaurantes Toks, Coca Cola Femsa, Femsa Comercio (OXXO), Embotelladoras Arca, The Coca Cola Export Corporation, McDonald’s de México, Cadbury Adams.

Poder Local- Populações pedem ajuda às juntas de freguesia


As juntas de freguesia são os organismos públicos a que as populações mais têm recorrido para pedir ajuda. Para fazer face à crise, algumas autarquias criaram gabinetes e cozinhas sociais. Mas estes organismos também já sentem falta de capacidade para apoiar tanta gente
As juntas de freguesia são encaradas por muita gente como a única "tábua de salvação" para esta situação de crise em que se encontram. Por serem os organismos do Estado que estão mais próximos da população, as juntas não param de receber pessoas que lhes batem à porta a pedir ajuda. Isso mesmo foi ontem relatado por vários intervenientes no seminário "A freguesia nos tempos de crise", na Universidade Lusíada, em Lisboa.Armando Vieira, presidente da Associação Nacional de Freguesias (Anafre) deu conta disso mesmo: "Para responder às dificuldades dos cidadãos, muitas freguesias de maior dimensão criaram gabinetes sociais e uma das medidas específicas foi a promoção de cozinhas sociais. Na sua opinião, esta é "provavelmente a crise do século".Segundo explicou, nos gabinetes de apoio é prestado auxílio a pessoas sem-abrigo, com dificuldades económicas temporárias ou com problemas de exclusão social. Adiantou que as juntas de freguesia "têm uma especial responsabilidade de serem socialmente solidárias". Mesmo sem capacidade para resolver todos os problemas, podem encaminhá-los para outros organismos que o possam fazer, referiu.No encontro também participou o secretário de Estado Adjunto e da Administração Local, Eduardo Cabrita, que falou da importância dos serviços de proximidade, que se devem alargar a muitas freguesias. E considerou ser um desafio a descentralização do município para a freguesia, sobretudo na área social.O governante falou de projectos que envolvem as freguesias no mercado de emprego, como o programa de estágios de licenciados na Administração Local. E também de um novo modelo de estágios para quem tem mais de 35 anos, em que o Instituto do Emprego e Formação Profissional vai suportar 65% da remuneração.Programas que vão ao encontro de propostas ontem apresentadas por Bagão Félix, ex-ministro do Trabalho e da Solidariedade Social. Defendeu que se devem envolver as freguesias nos investimentos públicos e na ocupação de desempregados em trabalhos nas respectivas comunidades, oferecendo-lhes um complemento ao subsídio de desemprego ou de inserção social.Tarefas como a vigilância das florestas e a ocupação em actividades de cariz social e cultural podem ser algumas das áreas a dinamizar pelas juntas de freguesia de forma a mobilizar as populações mais afectadas pela crise, concluiu.

fonte:( http://dn.sapo.pt/2009/03/11/cidades/populacoes_pedem_ajuda_juntas_fregue.html, consultado em 12/mar/09)

Brasil - Fundação Seade divulga índice de responsabilidade social

Quarta-feira, 11 de Março de 2009 às 20h10

A Fundação Seade e o Instituto do Legislativo Paulista da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo lançam a quinta edição do Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), com dados de 2006.
OIPRSé composto de três dimensões que sinalizam a evolução das condições de vida dos 645 municípios do Estado de São Paulo. São elas: renda, escolaridade e longevidade.
A metodologia do IPRS permite:
ordenar os resultados em um ranking conforme cada uma das dimensões;
resumir, por meio de tratamento estatístico, as três dimensões em um único indicador, o IPRS;
organizar os municípios em cinco grupos, de acordo com os indicadores sociais (educação e longevidade) e econômico (renda);
comparar o resultado de um determinado município com o da sua Região Administrativa (RA);
comparar o resultado de cada município com a média do Estado.
Na versão que se divulga, constata-se que a longevidade do Estado de São Paulo continua crescendo em resposta à redução contínua das taxas de mortalidade infantil e de homicídios em geral, especialmente de jovens.
No ranking de riqueza, a Região Metropolitana da Baixada Santista manteve-se em primeiro lugar, seguida da Região Metropolitana de São Paulo e da RA de São José dos Campos. A principal mudança foi a troca de posição, no período, entre as RAs de Franca e São José do Rio Preto.
Na dimensão longevidade, merecem destaque a Região Metropolitana de São Paulo, as regiões administrativas de São José dos Campos, Campinas, Franca e Marília.
Em âmbito municipal, os três melhores resultados na dimensão escolaridade correspondem a São Caetano do Sul, Holambra e Poloni. No indicador de riqueza sobressaem São Sebastião, Bertioga e Guarujá e, em longevidade, Oscar Bressane, Meridiano e Rubinéia.
O número de municípios pertencentes ao Grupo 3 (com nível de riqueza baixo, mas com bons indicadores nas dimensões escolaridade e longevidade) cresceu na região de São José do Rio Preto, como resposta a melhoras nos indicadores sociais, e diminuiu nas demais regiões do noroeste paulista. Destaca-se ainda a melhora nos indicadores sociais das regiões de Franca e no Vale do Paraíba.
Em contrapartida, aumentou o número de municípios pertencentes ao Grupo 5 (composto por localidades tradicionalmente pobres, com baixos níveis de riqueza, longevidade e escolaridade) nas regiões de Bauru, Campinas, Central, Marília, Presidente Prudente, Registro e Ribeirão Preto. Nas regiões de Barretos, Franca e São José dos Campos e na RMSP esse grupo diminuiu.
Da Fundação Seade

Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), iniciativa da Assembleia Legislativa em parceria com a Fundação Seade.




O IPRS é divulgado a cada dois anos e é uma adaptação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), da Organização das Nações Unidas (ONU), à realidade paulista. A ONU reconhece o índice, que avalia três indicadores avaliados como aqueles que podem ser modificados conforme a qualidade da gestão municipal: riqueza, escolaridade e longevidade da população.


Brasil/Tese de Doutoramento -Educação e desenvolvimento: o índice paulista de responsabilidade social nos municípios do noroeste paulista.





Autor
Demarco, Diogo Joel
E-mail
ddemarco@usp.br
Unidade
Faculdade de Educação (FE)
Área de concentração
Educação
Orientador
¤ Oliveira, Romualdo Luiz Portela de
Banca Examinadora
¤ Franco Junior, Francisco Creso Junqueira¤ Gatti, Bernardete Angelina¤ Jacobi, Pedro Roberto¤ Oliveira, Romualdo Luiz Portela de¤ Sousa, Sandra Maria Zakia Lian
Data da Defesa
13/03/2007



Palavras-chave
¤ Capital humano¤ Capital social¤ Desenvolvimento¤ Dimensão Educacional¤ Indicadores de Desenvolvimento¤ IPRS.


Resumo Original


Trata-se de pesquisa empírica cujo objeto são os indicadores do Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS). À luz deste índice, se analisa educação e desenvolvimento nos municípios do noroeste paulista, buscando compreender que fatores levam aos bons resultados nos indicadores de escolaridade, obtidos por um grupo de municípios com baixos níveis de riqueza, denominados de grupo 3 do IPRS. O trabalho busca, por meio de um olhar crítico da composição das variáveis do IPRS, analisar a capacidade destas expressarem a realidade do ambiente educacional dos municípios e, ao mesmo tempo, serem úteis na definição de políticas visando fortalecer as dinâmicas de desenvolvimento dos mesmos. Com isso objetiva contribuir com o debate sobre a formulação de indicadores educacionais mais adequados à análise do desenvolvimento na atualidade. Parte-se da constatação da relevância da educação nas atuais dinâmicas de desenvolvimento, não mais compreendido como sinônimo de crescimento econômico, ressaltando a inclusão da dimensão educacional nos instrumentos de mensuração do desenvolvimento humano. São discutidos os conceitos de desenvolvimento como liberdade e de capital social como parâmetros para se compreender o surgimento de uma nova geração de indicadores de desenvolvimento dentre os quais o índice paulista. Estes conceitos são abordados com base nas referências teóricas fornecidas por Sen, Putnam, Bourdieu e Coleman, objetivando analisar a capacidade do IPRS em incorporar estes conceitos nas suas dimensões. Paralelamente a isso se apresenta e analisa os indicadores do IPRS no estado de São Paulo e nos municípios da região noroeste, buscando compreender o que leva a emergência de um grupo expressivo de municípios pobres em termos de riqueza mas com indicadores sociais satisfatórios. Para tanto são utilizados os dados secundários do banco de dados do IPRS da Fundação Seade. Com isso se constata dois aspectos: a relevância da dimensão escolaridade nos bons resultados sociais obtidos por estes municípios e a insuficiência dos indicadores educacionais do índice paulista, especialmente no que se refere a incorporar outras variáveis quantitativas relacionadas ao ambiente educacional disponível quanto variáveis referentes à qualidade dos processos educativos desenvolvidos. As seguintes considerações finais são apresentadas: o IPRS é um indicador que avança na sua estruturação e capacidade de retratar a realidade do desenvolvimento dos municípios, fugindo da padronização dos indicadores sintéticos, contudo, ainda apresenta limitações no que tange a capacidade de analisar o ambiente educacional e a qualidade da educação ofertada e, conseqüentemente, contribuir de maneira efetiva como instrumento de monitoramento e avaliação das políticas que visam fortalecer as dinâmicas de desenvolvimento dos municípios paulistas.




Universidade do Algarve recebe conferência da associação internacional AIESEC






Marcar a Diferença» é o tema da conferência que se realiza na quarta-feira, dia 11, às 14h00, no anfiteatro Teresa Gamito, no Campus de Gambelas da Universidade do Algarve.
Promovida pelos estudantes da AIESEC, a conferência abordará assuntos relacionados com a responsabilidade social, voluntariado e actuação sustentável.A sessão de abertura, marcada para as 14h00, conta com a presença do reitor da UAlg João Guerreiro, do presidente da Câmara de Faro José Apolinário, e do director de Finanças AIESEC Faro Ricardo Patinho.Segundo a organização, “este projecto visa, fundamentalmente, consciencializar a sociedade para a importância da responsabilidade social. Debatendo especificamente a vertente do voluntariado e a vertente da actuação sustentável, ou seja, actuar de forma a garantir boas condições de vida às gerações vindouras.”Na vertente do voluntariado, a AIESEC irá promover a realização de estágios de desenvolvimento em países mais necessitados, tais como Índia e Brasil, onde os participantes terão a possibilidade de abraçar causas de interesse social e comunitário e ainda causar um impacto positivo na vida de muitas pessoas.“Esperamos que esta conferência se torne uma plataforma única e acessível a todos, para que se possam discutir todos os pontos essenciais deste tema”, sublinham os organizadores. A AIESEC Faro Universidade do Algarve pretende, este ano lectivo de 2008/2009, desenvolver um conjunto de actividades e iniciativas que promovam o desenvolvimento pessoal e profissional dos estudantes, bem como a aproximação das empresas à Universidade. Temas como o capital humano, empreendedorismo, tecnologias da informação, responsabilidade social empresarial e turismo serão abordados por grandes empresas a nível internacional, nacional e regional. A AIESEC é actualmente a maior organização mundial gerida exclusivamente por estudantes. Possui uma network internacional de 100 países e, em pleno crescimento, conta actualmente com 23 mil membros de mais de mil universidades e tem estabelecidas parcerias a nível mundial com mais de três mil organizações.

O Projecto Trofa - Concelho para Investir com Responsabilidade Social


O Projecto Trofa - Concelho para Investir com Responsabilidade Social pretende ser o novo meio da autarquia trofense para atenuar as necessidades das empresas do concelho e fazer face conjuntura de desaceleração económica.
"Face à crise económica que o país atravessa, entendemos por bem antes de mais avaliar a real situação económica do nosso concelho e das empresas, mas sobretudo também dar a conhecer a todos os trabalhadores as respostas sociais que temos, as almofadas que temos para diminuir as situações de desemprego e de dificuldade social", anunciou Bernardino Vasconcelos, presidente da autarquia, em conferência de imprensa na passada segunda-feira.
O apoio activo da Câmara Municipal da Trofa, em colaboração com a AEBA, passa pelo recurso aos vários instrumentos disponibilizados pela autarquia, a começar pela Loja Social, que se apresenta com uma "primeira porta para a situação de desemprego ou de alguma questão social inerente a um baixo rendimento ou a ausência de rendimento", de acordo com Bernardino Vasconcelos. Em parceria com a Associação para o Desenvolvimento Social do Ave, surge o Gabinete de Apoio ao Emprego e Empreendedorismo, que "tem como finalidade o apoio à colocação no mercado de trabalho por conta de outrem, das pessoas desempregadas, e também uma vertente de formação para qualificar melhor os empregados". "Temos ainda um outro Gabinete, que é o Gabinete de Apoio ao Micro-Empresário, com a colaboração da Associação Nacional do Direito ao Crédito, no sentido de promover junto dos desempregados, sobretudo das mulheres, a possibilidade de recorrer ao crédito para desenvolverem a sua micro-empresa", acrescentou o edil.
Por fim, o Gabinete do Endividamento, que presta apoio às pessoas junto das entidades bancárias que, perante situações dramáticas, não têm possibilidade de dar resposta financeira aos seus compromissos.
Questionado sobre a possibilidade da autarquia reduzir as taxas cobradas às micro e médias empresas, Bernardino Vasconcelos garantiu que essa é uma medida a tomar. "Em relação à promoção do novo investimento no concelho temos condições atractivas, que é a redução de taxas", avançou o edil. "Mantendo-se a situação económica, temos que reduzir as taxas, na área da derrama por exemplo, nas próprias taxas da publicidade, no sentido de diminuir a carga de encargos das empresas", acrescentou.
O novo projecto da autarquia de visita às empresas e criação de políticas de incentivo às mesmas irá contar com a colaboração estreita da AEBA. "Aproveitando a boleia, vamos às PME's que ainda não são associadas dizer que existimos e que estamos a fazer um trabalho com um esforço enorme", afirmou António Pontes, presidente da AEBA. "Primeiro na recuperação de alunos que falham nas escolas oficiais e que estamos a recuperar com muito êxito, em segundo agarrar nos homens que possuem a sua licenciatura e a sua formatura e que infelizmente têm dificuldades", adiantou Pontes, salientando que a AEBA colocou 30 licenciados a realizar estágios em 30 empresas, dos quais 85 a 90 por cento ficaram empregados nessas mesmas empresas.
Relativamente à crise que se vive no país e na região do Norte, Manuel Pontes classificou de "tragédia" a situação de desemprego no Vale do Ave e atribuiu o maior problema à "desqualificação das pessoas". No entanto, o presidente da AEBA desvalorizou o número de encerramento de empresas até agora registados. "Felizmente tem havido alguns encerramentos pouco significativos, tem havido mais é os lay-off's, através dos quais mandaram 20 ou 30 por cento dos trabalhadores para casa durante alguns meses", considerou, acrescentando que "a Trofa tem problemas sociais, mas os concelhos limítrofes têm-nos muito mais graves e em quantidade" concluiu.

fonte:( http://www.onoticiasdatrofa.pt/nt/index.php?option=com_content&view=article&id=3812:projecto-investir-junta-aeba-e-autarquia&catid=385:edicao-207&Itemid=200002 , consultado em 12/mar/09)

NERSANT cria portal para a economia social no distrito de Santarém

A Associação Empresarial da Região de Santarém (NERSANT) criou um portal vocacionado para a Economia Social do Distrito, um sítio na Internet de divulgação das instituições particulares de solidariedade social.
O Portal
www.esocialsantarem.com, apresentado ontem em conferência de imprensa, passa a divulgar as iniciativas das instituições particulares de solidariedade social, a rede existente no Distrito, as valências e serviços, as vagas disponíveis, desde a infância à terceira idade, disse o presidente da comissão executiva da Nersant.
António Campos adiantou que, além do Portal, a NERSANT criou uma Intranet, ferramenta que visa "normalizar procedimentos internos" nas instituições, desde a gestão de recursos humanos, economato, correspondência, entre outros.
Neste momento, das 202 instituições particulares de solidariedade social a trabalhar com acordos no Distrito, 34 já acederam à Intranet, sendo objectivo da NERSANT incluir metade das instituições até ao final do ano.
António Campos afirmou que o projecto surgiu de uma necessidade sentida durante uma acção de formação na área da qualidade, quando se percebeu que as instituições não dispunham das ferramentas informáticas nem tinham capacidade financeira para as adquirirem.
Os custos do projecto, assumidos pela NERSANT, serão praticamente esbatidos com o pagamento de 100 euros pelo alojamento na Intranet por cada instituição.
Esta ferramenta foi testada numa instituição ao longo dos últimos seis meses, disse António Campos à Lusa, adiantando que o projecto tem vindo a ser desenvolvido no último ano, o que implicou a realização de dezenas de reuniões e a apresentação à directora do Centro Distrital de Segurança Social.
O Portal está, por enquanto, em "fase experimental", havendo ainda apenas uma instituição de Abrantes a introduzir dados, adiantou.
O Portal permitirá às empresas da região, previamente acreditadas pela NERSANT, fazerem a oferta de produtos e serviços relacionados com a Economia Social.
Por outro lado, no futuro, o sítio permitirá fazer reservas directas quer em creches quer em lares e centros de dia.
"Será uma ferramenta com grandes benefícios para todos, incluindo para os que procuram resposta para as suas necessidades e desconhecem a rede de instituições existentes no Distrito", afirmou.